quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Encefalite Letárgica!



Resolvi falar sobre isso em um dos posts desse mês porque há muito tempo fiquei morrendo de medo de algo do tipo acontecer comigo. É claro que tudo não passou de uma bobagem minha, de uma agonia hipocondríaca que só podia vir de mim mesmo. Afinal, Vovó Marina (que Deus a tenha!) era extremamente nervosa com qualquer coisa que pudesse deixá-la doente, e acho que herdei essa característica fatídica dela. 

Outro fator para escrever sobre o assunto é o fato de estar de férias e dormir o tempo todo. Não por estar com a doença, mas por puro cansaço mesmo. O semestre na faculdade foi "pesado". Mas vamos ao que interessa:

Imagina que um dia você está com um daqueles sonos gigantescos, que mal te deixam de olhos abertos. Resolve dormir, feliz e tranquilo, com vontade de ficar na cama por séculos. Bem, eu não pediria para dormir por séculos, pois esse desejo pode se realizar...

Trata-se de uma doença pouco conhecida e muito pouco comentada, em parte devido às circunstâncias em que apareceu. Durante e após a Primeira Guerra Mundial, cerca de cinco milhões de pessoas foram infectadas no mundo (e morreram), numa epidemia de proporções cataclísmicas. O fato é que mesmo tendo alcançado tantas pessoas, a gripe espanhola, que matou cerca de vinte milhões “roubou a cena” das epidemias na época, e a doença nem ao menos é citada na história.

A enfermidade chama-se “encefalite letárgica” e, como o próprio nome sugere, deixa o indivíduo cansado, abatido, em estado de cansaço total. A pessoa cai num sono profundo e passa dias, semanas, e até meses dormindo, enquanto a morte não chega. Os infectados não acordam para ir ao banheiro, comer ou tomar banho, apenas permanecem numa espécie de coma profundo. Caso alguém os desperte, eles alimentam-se rapidamente e voltam a dormir.

Não há cura! Simplesmente não se sabe como a doença surge, ou como se desenvolve. Entre todos os infectados, os poucos que conseguiram sobreviver passaram o resto da vida numa espécie de fadiga permanente.

Mas não há motivos para pânico! Afinal, a epidemia veio e foi embora no início do século passado, sem deixar qualquer rastro que seja. Assim, apesar do medo mortal de dormir para sempre (trocadilho infame), estou tranquilo e curtindo muito as férias! Não vão cismar com isso hein! Haha!

Para saber mais:

Breve história de quase tudo - Bill Bryson
A história e suas epidemias - Stefan Cunha Ujvari

Grande abraço!

-- Thiago Amorim

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Aos amigos!



A quinze dias do fim o cheiro de mofo impregna tudo... O ano, que ao término do que passou era novo, não é mais o mesmo, é apenas um moribundo prestes a desencarnar. E como em tudo que acaba, há o lamento, a nostalgia; não importa o quão ruim o defunto tenha sido.

Diante do novo o repertório se repete. Surgem mais uma vez as expectativas, os desejos, as emoções. A esperança de que tudo será bom, que a vida irá melhorar, que o ano que nasce trará paz e bonança. O momento é de olhar para frente, de conformar-se com o que aconteceu e sonhar com um futuro melhor; mais uma vez.

O eterno ir e vir do tempo nos deixa frustrados, animados, pensativos, cansados, felizes; tocados e emocionados com mais do mesmo. Não fosse a existência da amizade essa perpetuação contínua de flashbacks tiraria o sentido da nossa existência.

Para quem não sabe o perseguido e famoso “sentido da vida” está na maneira como nos relacionamos com os outros. Nos amigos que fazemos; nas experiências que trocamos.

Esse ano foi muito difícil em diversos aspectos. Ganhei algumas coisas, perdi muitas outras. Mas o que importa é o grande número de pessoas que conheci, as amizades que construí, e as que mantive firmes, mesmo com seus percalços e contratempos. 

Assim, agradeço aos meus queridos e amados amigos, aqueles sem os quais não poderia viver; sem os quais não valeria a pena viver. Obrigado por me acompanhar nessa caminhada, por me fazer feliz... 

Grande abraço!

-- Thiago Amorim

sábado, 5 de novembro de 2011

São Longuinho


Estátua de São Longino - Bernini
Localizada em um dos quatro nichos principais
da Basílica de São Pedro, Vaticano
Conhecido em todo o Brasil graças à famosa simpatia dos três pulinhos, São Longuinho é uma das figuras mais emblemáticas do cristianismo. Guardião da “Lança do Destino”, Longino (nome real da figura) tornou-se mártir cristão após afastar-se do exército romano e pregar a palavra de Jesus Cristo.          

Segundo a tradição, um dos centuriões que participaram da crucificação naquele fatídico dia, perfurou o profeta com o objetivo de constatar a sua morte. Após o contato entre a lança e o corpo morto, um líquido foi expelido e caiu diretamente sobre os olhos de Longino. O soldado, que tinha um grave problema de vista, curou-se imediatamente, levando-o a converter-se ali mesmo ao cristianismo.

Nos anos seguintes, Longino viajou o mundo pregando a palavra de Jesus Cristo e contando o milagre que o livrou da cegueira. Sua atitude o transformou em mártir da Igreja, já que devido às suas crenças foi severamente machucado e assassinado. Conta-se que antes de morrer teve orelhas, nariz, dentes e língua arrancados.

Apesar do fim do seu guardião, a lança do destino (sim, a mesma que perfurou Cristo) não foi destruída. Ela ficou perdida durante muitos séculos até chegar às mãos dos cruzados por volta do século XI. A relíquia despertou o interesse de diversos monarcas e dirigentes políticos, devido à lenda de que daria poderes mágicos a quem a possuísse. A existência ou não da lança, entretanto, é muito contestada, e é consenso entre estudiosos que o seu encontro pelos cruzados foi uma fraude.

Hoje o objeto encontra-se sob o poder da Igreja de Roma, guardada junto à estátua do Santo em um dos quatro nichos principais da Basílica de São Pedro. Lá também estão guardados um fragmento da “verdadeira cruz” trazida por Santa Helena, o véu de Verônica, e até pouco tempo as relíquias de Santo André. Todos os objetos permanecem junto às estátuas de seus “santos correspondentes”.

A história da lança acaba aí. O lance dos três pulinhos ninguém sabe de onde surgiu. Por via das dúvidas, quando pedir algo a São Longuinho pague os seus pulinhos! Afinal, ele esteve tão perto do Cristo que deve ter alguma moral com o profeta!

Grande Abraço!

-- Thiago Amorim

Curiosidades:

- Segundo alguns, Hitler esteve muito interessado na Lança do Destino e seus poderes mágicos;

- Outras personalidades envolvidas com o objeto seriam Frederico Barbarossa e Carlos Magno (sérios problemas históricos comprometem a versão de que o segundo entre esses tivesse acesso à relíquia, afinal de contas, o tal encontro do objeto só ocorreu muitos anos após sua morte);

- No filme Constantine a Lança do Destino faz parte essencial da trama.


- Existem outras histórias e outras lanças espalhadas pelo mundo. A que está em poder do Vaticano é apenas uma das consideradas pertencentes ao Santo;

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

As outras Brasílias


Há centenas de anos a ideia de haver uma mudança da capital do Brasil para o interior vinha sendo debatida. Após muito tempo de discussão e estudos, finalmente a mudança ocorreu sob o governo de Juscelino Kubistchek. O presidente lançou o concurso para o plano de construção da nova cidade e vários arquitetos e urbanistas propuseram soluções. O plano piloto criado por Lúcio Costa foi o vencedor, mas projetos idealizados por outros arquitetos e urbanistas também se destacaram pela qualidade e inventividade, tendo sido, entretanto, esquecidos; guardados da vista do público.

Assim, com o intuito de apresentar essas “outras Brasílias”, abaixo segue uma sequência de imagens de alguns dos “planos pilotos” que perderam o concurso.  








Aqui a formação de diversos núcleos urbanos,
lembra um pouco as "superquadras" criadas por Lúcio Costa,
mas em escala gigantesca
  


Nesse projeto, é possível ver facilmente a
formação da bandeira do Brasil ao centro



O diferencial desse projeto, está nas gigantescas torres
que teriam centenas de metros de altura
 



-- Thiago Amorim

Sobre a construção de Brasília: 

Para saber mais:




terça-feira, 4 de outubro de 2011

A Estátua da Liberdade


Construída há quase 125 anos, a Estátua da Liberdade é certamente um dos monumentos mais conhecidos e visitados no mundo. A sua localização na entrada do porto de Nova York, e a enorme carga ideológica que carrega, certamente são os motivos por trás de tanta fama. O que muita gente não sabe é que ela não foi construída pelos americanos, e sim doada pela França como um presente que simbolizava a amizade entre os dois países.

Os planos para a doação iniciaram-se em 1865, mas arrastaram-se por cerca de vinte anos até que finalmente se realizassem. O escultor Frédéric Auguste Bartholdi ficou encarregado de elaborar o modelo e a construção em cobre da estátua. A estrutura interna, que a sustenta até hoje, foi projetada por Eiffel (o mesmo que construiu a famosa torre homônima em Paris).

No acordo de doação os norte-americanos ficaram encarregados de construir o pedestal e os franceses a estátua. A ilha, que hoje é o parque da liberdade, era o lugar de um forte do exército e foi escolhido para a instalação da estrutura devido a sua localização e relevo. O dinheiro para a realização da obra veio de doações tanto nos EUA como na França, através de centenas de eventos, dos mais variados tipos, que foram organizados com o intuito de angariar fundos para o projeto.

Em 1884 a estátua ficou pronta em Paris. O gigantesco espetáculo proporcionado por sua finalização só seria igualado com a exposição universal de 1889. Os trabalhos seguiram pelos anos seguintes do outro lado do Atlântico, enquanto o pedestal era finalizado. A estátua foi então desmantelada, e enviada por partes para a montagem em Nova York. Em 28 de outubro de 1886 foi inaugurada e o trabalho deu-se por encerrado.

Em pouco tempo “A liberdade iluminando o mundo”, tornou-se o símbolo dos Estados Unidos. Por causa de sua importância, terroristas já a atacaram e causaram sérios danos à sua estrutura. Nos últimos anos, com o aumento da ameaça de ataques, a segurança do local foi reforçada e vários pontos da estátua tornaram-se restritos aos turistas. Apesar das dificuldades de acesso, ela continua sendo um dos pontos turísticos mais visitados do mundo.

-- Thiago Amorim

Curiosidades:

- A Estátua foi oferecida primeiramente ao Egito, que não aceitou o presente;

- Sua altura é de cerca de 90 metros contando com o pedestal;

- Da sua inauguração até 1902 ela serviu como um farol que funcionava com energia elétrica (o primeiro do tipo no mundo);

- Durante a colocação do braço que segura a tocha, um erro de instalação fez com que o local se tornasse instável. Esse erro seria consertado apenas em 1986, depois dos trabalhos de restauração do monumento realizados naquele ano;

- A tocha foi trocada após a restauração de 1986;

- Existem três réplicas da estátua que saíram da mesma fundição que a original. Duas delas estão em Paris;

- A última das três está em Maceió, Alagoas, em frente ao Museu de Imagem e som, no bairro do Jaraguá.

Saiba mais em: http://www.nps.gov/stli/index.htm (site em inglês)

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

As intermitências da morte


O primeiro livro que li do Saramago me deixou confuso. Sim, confuso. E confuso pelos sentimentos, pelas emoções que senti enquanto o lia. Mais tarde um amigo iria me dizer que aquele era o mais simples entre todos do autor, o que menos despertava interesse no leitor. Eu não concordei com ele, é claro. O tal livro, “Ensaio sobre a cegueira”, deu origem a um filme, muito bom também, e que foi visto por milhões de pessoas. Um conselho? Leia o livro primeiro e veja o filme depois!

Mas não é sobre esse livro que quero falar, e sim sobre o que li recentemente, “As intermitências da morte”. O livro começa assim: “E no dia seguinte, ninguém morreu.” Quer começo mais chocante? Mais incentivador? Passado o júbilo diante do fato, o país fictício criado por Saramago, vê-se diante de uma crise interminável. O que fazer com os “não-mortos”? O que os “mortos-vivos” sentem ou pensam? E por fim, onde está a morte?

A morte, por sua vez, não dá as caras por um longo tempo, e um grupo é criado para se livrar dos novos “indesejáveis”. A “máphia”, com ph mesmo, para diferenciar-se da outra, traz uma solução, que apesar de promissora no início, trará no futuro problemas diplomáticos terríveis, com iminência até mesmo de guerra. No fim, não é só a população que sofrerá com o sumiço da morte. Em breve, ela mesma perceberá as consequências de sua decisão.

Numa sátira incrível e bem humorada, Saramago nos faz pensar sobre política, religião, e relações humanas. E também perceber que o que vemos como grandes problemas, como a morte, por exemplo, pode ser o que mais desejamos.

Depois de meses com apenas dicas “indiretas” de livros, eis uma bem “direta” agora. É tão bom que o li em um dia apenas!

-- Thiago Amorim

P.S. No fim das contas foram duas dicas! Ou seriam três? 
Abração...

terça-feira, 6 de setembro de 2011

World Trade Center



Nas décadas de 1950 e 1960 New York vivia com um problema de difícil solução. Por se tratar de uma ilha, a cidade não dispunha de espaço suficiente para a ampliação dos centros financeiros, em especial aquele próximo a Wall Street. O então governador do estado, Nelson Rockefeller, imaginava uma reestruturação e revitalização da região sul de Manhattan, de forma a garantir uma expansão dos negócios.

Assim, diversos estudos foram iniciados e a conclusão a que se chegou é de que no lado sudoeste da ilha havia um espaço interessante a ser aproveitado. Para isso, milhares de pessoas seriam removidas, casas destruídas e negócios deslocados. Um espaço gigantesco seria demolido e no local se ergueria o futuro World Trade Center.

Os planos para o local incluíam enormes torres de escritório e bilhões de dólares em investimentos. O projeto arquitetônico foi criado pelo arquiteto nipo-americano Minoru Yamasaki, cuja solução para os exigentes códigos construtivos da cidade estava na criação de um complexo com duas torres gigantescas, as maiores do mundo à época, e uma enorme praça cercada de edifícios com uma escultura no centro. O resultado agradou o governador e a municipalidade.

As obras iniciaram-se em 1966 com as escavações do local. Tamanha foi a quantidade de terra e rochas retiradas do que seria a base dos prédios, que Manhattan ganhou uma expansão para oeste. Esse novo terreno viria a ser futuramente o Battery Park City e o World Financial Center. O progresso da construção foi um sucesso. Os andares subiam no ritmo de um por semana e a silhueta das torres tornava-se cada vez mais marcante no horizonte da cidade. O sucesso na obra não se repetia na opinião dos moradores de New York. A maioria detestava o projeto e o condenava pelo seu estilo moderno e simplista.

Mas os anos passaram, a obra prosseguiu, e as torres ficaram prontas. Eram os maiores prédios do mundo e indiscutivelmente uma façanha da arquitetura e engenharia modernas. Milhares de pessoas trabalhavam no local e milhares de outras o visitavam todos os dias.  Apesar das críticas, em poucos anos tornou-se o símbolo da cidade.

E por ser símbolo, o World Trade Center enfrentaria duas grandes tragédias. A primeira em fevereiro de 1993, com a explosão de um caminhão bomba, matou seis pessoas e deixou mais de 1.000 feridas. A segunda em 11 de setembro de 2001, quando aviões sequestrados por terroristas se chocaram contra os prédios principais do complexo e o destruíram completamente, deixou quase 3.000 mortos. Segundo a versão oficial, os terroristas responsáveis eram extremistas islâmicos, que viam no poderio americano uma ameaça à sua religião.

O curioso nesses fatos é que a proposta de construção de Yamasaki, onde o vazio da praça seria preenchido pelas pessoas em volta da estrutura no centro, vinha da inspiração na Caaba muçulmana, o Templo de Meca. No fim das contas, os terroristas destruíram uma representação do seu mundo ideal, mesmo que a seus olhos tivesse se tornado blasfema.

Minoru Yamasaki, que via na construção do complexo um símbolo da paz mundial através do comércio entre as nações, não viveu tempo suficiente para ver sua criação destruída. Morreu em 1986 deixando um legado de obras tanto no mundo muçulmano quanto no judaico-cristão ocidental.

-- Thiago Amorim

Curiosidades:

- Em 1974, Philippe Petit, um equilibrista francês, atravessou clandestinamente o espaço entre as duas torres;

- Em 1975 um grande incêndio atingiu a torre norte, que não sofreu problemas estruturais significativos;

- 50.000 pessoas trabalhavam no WTC;

- O número de visitantes chegava a 200.000 por dia;

- Cada torre tinha 99 elevadores e três escadas;

- O WTC contava com duas torres de 110 andares, e mais cinco prédios cujo número de pavimentos estava entre seis e 47;

- O WTC contava ainda com um Shopping Center, um hotel classificação “4 diamantes”, um posto de observação no topo da torre sul, um restaurante no 107º andar da torre norte e um estacionamento para 2.000 veículos;

- Era o maior complexo de escritórios do mundo com 1.240.000m² de espaço arrendável, e tinha seu próprio código postal;

- Um novo World Trade Center está em construção em Manhattan e deve ficar pronto até 2014.

domingo, 4 de setembro de 2011

Uma breve história da Igreja Católica - Parte 4



O reino da Itália foi unificado na década de 1870. A cidade de Roma foi o último baluarte da resistência papal, mas caiu sob os rebeldes que lutavam pela causa do rei. A base legal que sustentava a existência dos Estados Pontifícios estava em um documento conhecido como a “Doação de Constantino” e que legava o Império Romano ao Papa. Tudo, obviamente não passava de uma fraude medieval. Pio IX, entretanto, se dizia cativo do rei da Itália em sua própria casa, e nunca aceitou fazer qualquer tipo de acordo com seu governo que pudesse legitimar a tomada da Cidade Eterna.

O Século XIX trazia um progresso sem precedentes para o mundo. A formação das grandes potências imperialistas européias, a disseminação da revolução industrial e o advento da ciência moderna moldavam um mundo cada vez mais centrado na razão. A fé e a religião como guias da humanidade não mais fazia sentido. A Igreja romana experimentava uma época de crise e esvaziamento. O Papado já não podia ditar regras ao mundo e estava cada vez mais legado ao ostracismo político. Isso ficou muito claro, quando ao fim da Primeira Guerra Mundial, a Igreja não foi ouvida nas negociações de paz.

As finanças da Igreja na virada do século XIX para o XX também não se sustentavam. O Papa vivia em petição de miséria, cercado de palácios e igrejas em ruínas. Mas com a ascensão de Mussolini ao poder na Itália, e o Tratado de Latrão em 1929, a Igreja pôde reaver um pouco de sua glória. A região do Vaticano foi transformada em um Estado soberano dentro dos limites de Roma. Mussolini também deu uma excelente compensação financeira pelos territórios tomados dos antigos Estados Pontifícios, e privilégios de extraterritorialidade para Castel Gandolfo e as três Basílicas maiores de Roma.

Apesar de sua perda de “funções” na sociedade, havia algo defendido pela Igreja desde tempos imemoriais que se mantinha firme: a perseguição aos judeus e a sua transformação em cidadãos de segunda classe. Essa postura seria levada ao extremo com o nazismo e a solução final para os judeus na Alemanha, o Holocausto (fruto do Darwinismo social muito incentivado à época). O extremismo do Füher alemão iria ao final levar as pessoas a esquecerem que atitudes parecidas haviam sido perpetradas pela Igreja de Roma e boa parte do mundo ocidental durante séculos. Um excelente “bode expiatório” havia sido criado.

Sobre os rumos da guerra, a atitude extremamente neutra de Pio XII não seria esquecida. Ele ficaria conhecido posteriormente como “O Papa de Hitler”, título talvez injusto, já que o Papa ajudou centenas de judeus a escapar da morte nas mãos nazistas. O silêncio da Santa Sé indiscutivelmente foi a melhor escolha racional, mas moralmente um grande erro. Afinal, como representante de Deus na Terra, o Papa tinha obrigação de condenar o regime Nazista, independente do que viesse a acontecer a ele e a Igreja.

Mas a guerra acabou, o Papa morreu e a Igreja, após séculos de poucas mudanças, realizou o Concílio Vaticano II, com o objetivo de adaptar-se ao mundo moderno. Muitos avanços se consolidaram e o Papado readquiriu importância. João Paulo II, com sua imensa popularidade, ajudou os poloneses a destruir a ditadura soviética. Ele também tornou a Igreja mais humana e mais presente e incentivou grupos católicos em diversas partes do mundo. Em contrapartida também perseguiu e condenou alguns outros, como os ligados a teologia da libertação. No fim das contas, sua morte em 2005 foi um choque para o mundo cristão.

Choque ainda maior tem sido os escândalos sexuais que têm abalado a fé na Igreja. Clérigos, padres, bispos. Centenas de acusações contra eles surgem todos os anos, transformando esses fatos em uma grande vergonha para a Santa Sé. Ainda que o Papa atual, Bento XVI, tenha sido acusado de fechar os olhos a esses fatos; que continue condenando o aborto, o uso da camisinha e a homossexualidade; a Igreja, parece que a seu modo, conseguirá sobreviver. O caminho para essa sobrevivência estão bem definidas nas palavras do Santo Padre, "Uma igreja menor, porém unida". 


E mesmo que 1.700 anos tenham se passado desde sua institucionalização e 2.000 desde a morte do sábio carpinteiro; mesmo que uma chuva de intempéries a tenha acompanhado no decorrer da história; ela ainda assim conseguiu sobreviver. É hoje, de fato, a única instituição a permanecer de pé desde a Antiguidade. Não seria injusto, portanto, admitir que seu pensamento retrógrado possa vir justamente disso.

-- Thiago Amorim

Para saber mais:

Uma história de Deus - Karen Armstrong;
Declínio e queda do Império Romano - Edward Gibbon;
A queda de Constantinopla - Steven Runciman;
Basílica de São Pedro - Esplendor e escândalo na construção da catedral do Vaticano - R.A. Scotti
A história secreta dos Papas - Brenda Ralph Lewis;

sábado, 3 de setembro de 2011

Uma breve história da Igreja Católica - Parte 3



O Ocidente assistiu perplexo, mas não surpreso, à queda de Constantinopla. Após anos de assédio, os Turcos finalmente conquistaram a cidade e destruíram o Império Romano do Oriente. Extremamente dependente do poder Imperial, a Igreja Católica Ortodoxa grega agora perdia ímpeto. Sua força foi transferida para ainda mais longe do ocidente, sob proteção do Czarismo Russo.

Enquanto isso a Igreja de Roma estava cada vez mais poderosa. Os Estados Pontifícios estendiam sua influência por todo o mundo ocidental e o poder Papal era mais forte que nunca. A cidade de Roma e boa parte do que hoje compõe a Itália faziam parte do patrimônio do Papa, como um estado com leis e povos subjugados a ele. É nessa época que os maiores tesouros artísticos que hoje estão sob poder da Igreja foram criados. E é nessa época também que os maiores conflitos religiosos da história irão surgir.

O Renascimento em fase de formação garante, através do mecenato, que artistas como Bramante, Rafael Sanzi, Michelângelo e Da Vinci possam desenvolver por inteiro suas aptidões criativas e deixar um legado de obras de arte maravilhosas. Trabalhar para a Igreja era uma ótima opção e garantia de boa vida para cada um deles, daí a existência de tantas obras ligadas ao catolicismo romano. Sob o Papa Júlio II a igreja vai chegar ao ápice. Il papa terribile comandará exércitos e conquistará territórios sob a égide da cruz. Ele também iniciará a construção da nova Basílica de São Pedro em Roma e liberar a venda de indulgências como forma de adquirir recursos para isso. Alguns anos depois, essas obras custarão muito caro à igreja, custarão muito caro até mesmo para o povo da cidade de Roma.

Conflitos religiosos e sociais irão irromper e levar à Reforma Protestante. Roma será saqueada; igrejas e mosteiros destruídos. O levante popular contra a igreja será tão feroz que até mesmo antigos aliados, como Henrique VIII da Inglaterra, e os espanhóis se voltarão contra ela. Apesar dos esforços da contra-reforma, o Papa não conseguirá reter a cisão. As ideias de Lutero, Calvino e outros reformadores, destruirão para sempre a unidade da Igreja católica Romana.

A época do Papa “bon-vivant” acabará e sob o pontificado de Sisto V a contra-reforma se consolidará. Nessa época também, a enorme cúpula da basílica de São Pedro é finalizada por Giacomo Della Porta. No século XVII, Bernini é o novo arquiteto responsável pela construção da basílica. A teatralidade do Barroco utilizada ao máximo por esse artista concederá à Cidade Eterna uma beleza ímpar.

Mas enquanto a contra-reforma gera seus frutos e enquanto a basílica é finalizada, um novo poder surge para desafiar o Papa e a Igreja. E o poder que imana do povo, junto ao iluminismo do século XVII e as revoluções burguesas do século XVIII é tão forte, que por alguns anos o fim da igreja chegou mesmo a ser cogitado. Quando Napoleão sequestrou o Papa, muitos anunciaram que esse momento havia chegado.

No entanto, mesmo que tudo parecesse perdido, a igreja triunfou no final. O Papa perdeu seu império, mas recuperou o trono de São Pedro. A criação da Itália extinguiria os Estados Pontifícios, mas traria um novo despertar para a Igreja Católica: a possibilidade de se reinventar. Não que ela estivesse disposta a isso...

-- Thiago Amorim

O que não foi citado nesse texto:
- As grandes navegações acontecem;
- Os turcos são barrados em Viena;
- Fundação da ordem religiosa dos Jesuítas e sua força na América;
- A República de Veneza perde importância política e econômica;
- O fim do Sacro Império Romano-Germânico e a criação do Império Alemão;
- Independência das Colônias Americanas;
- Ascensão do Império Britânico;

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Uma breve história da Igreja Católica - Parte 2


A fundação da Igreja aconteceu em um momento crítico para o Império Romano. Antes de subir ao poder, Constantino, o Grande, teve de enfrentar revoltas e lutar contra poderosos inimigos que ameaçavam o seu lugar como Imperador. Após anos e anos de guerras civis, finalmente a paz havia sido restaurada, mas novos problemas apareciam a cada dia. A crescente onda migratória dos povos do norte da Europa e as ameaças nas fronteiras setentrionais e orientais, o fizeram mudar a capital de Roma para Constantinopla, já que assim, o centro de poder ficaria mais próximo dos conflitos.

A solução do Imperador foi importante, pois garantiu certa estabilidade para o governo e para as fronteiras. Entretanto, após a morte de Constantino sérias convulsões em todo o território trouxeram mais dificuldades. Roma perdia espaço como centro administrativo, sendo Constantinopla cada vez mais importante. Esse problema acabou refletindo na forma como a Igreja funcionava, já que o Papado e, portanto, a sede da Igreja estava na primeira cidade.

A situação iria se agravar com a divisão do Império no fim do século IV quando, com a morte do Imperador Teodósio em 395, Roma foi finalmente dividido em duas partes. A parte Ocidental ficaria agora com a sede em Roma e a Oriental com sede em Constantinopla. O surgimento de dois Impérios Romanos, onde o latim era predominante no ocidental e o grego no Oriental continuou a afastar ainda mais os religiosos e enfraquecer a unidade da igreja.

Com o agravamento das invasões bárbaras e a crise do sistema escravocrata, o ocidente finalmente evaporou. Odoacro destronou o último Imperador Romano em 476 e destruiu completamente a ideia de um império Ocidental. O mundo europeu mergulhou nas trevas da Idade Média e as cidades esvaziaram-se. O Papado, contudo, manteve-se firme, e a igreja adaptando-se aos invasores, permaneceu existindo.

Meio milênio de distanciamento iria acarretar no século XI o Grande Cisma do Oriente. A igreja católica era desmanchada em duas partes, com a excomunhão mútua dos Bispos de Roma e Constantinopla. Os grandes cernes da questão, além da própria distância geográfica e de influência, estavam no “cesaropapismo” (poder do Imperador romano sobre as decisões da igreja) e no “filioque” (a discussão a respeito da divindade ou não de Cristo). 

Enquanto o catolicismo de Roma defendia o poder supremo do Papa e a essência divina do profeta, os constantinopolitanos defendiam uma visão mais voltada à simbiose com o Imperador e a uma visão mística da Santíssima Trindade, onde a divindade ou não de Cristo não teria tanta importância. A Igreja Católica Oriental e a civilização bizantina (nome moderno) preservaram os costumes, os textos e os tesouros da Antiguidade, enquanto tudo isso se perdia no Ocidente

Mas o que talvez seja mais incrível sobre os “anos das trevas” europeus é que o poder do Papa perdurou sobre todos os antigos territórios da Roma Ocidental e sua influência permaneceu existindo mesmo nos mais difíceis dos tempos, e sobre os mais variados dos povos. Quando da Queda de Constantinopla sob o julgo Turco-otomano, os eruditos e os nobres daquele lugar fugiram para Roma e o Ocidente, dando fôlego ao Renascimento Artístico e Cultural, e pondo fim à Idade Média. A Igreja Cristã iria se apropriar dessas ideias, trazendo uma legião de mudanças sem precedentes para o Papado e toda a Europa Ocidental.

-- Thiago Amorim

O que não foi citado nesse texto:
- O sistema feudal toma conta da Europa;
- A fundação do Sacro Império Romano-Germânico;
- O Cisma do Ocidente e os três Papas;
- O surgimento dos Estados europeus;
- As cruzadas ocorreram nessa época diante do pedido feito por Aleixo Comneno, então Imperador de Bizâncio, e sob incentivo do Papa de Roma;
- O saque de Constantinopla pelos cruzados;
- O Avanço do islã pela Europa, e o enfraquecimento da Igreja no Oriente;
- A peste negra e a histeria sobre o fim do mundo;
- Os esforços dos últimos Imperadores bizantinos em buscar ajuda no Ocidente diante da  guerra com os turco-otomanos;


quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Uma breve história da Igreja Católica - Parte 1


Há cerca de dois mil anos, um intrépido carpinteiro com ideias proféticas era crucificado em Jerusalém. Devido ao local onde vivia, sua morte deveria ter sido despercebida ou pouco comentada, mas isso não aconteceu. Ele havia deixado discípulos, que de forma itinerante passaram a vagar pelo Império Romano pregando a “boa nova de Cristo”. O Cristianismo, como ficou conhecido o culto a essa figura, espalhou-se velozmente do mundo Oriental para o Ocidental e transformou-se numa das maiores religiões do globo em anos posteriores.     

Entretanto, nos seus primeiros anos, os Cristãos foram perseguidos dentro da sociedade romana e inúmeros martírios e assassinatos cometidos. Roma não via com bons olhos uma seita que ameaçava o culto aos deuses antigos e incitava o povo a rebelar-se contra o sistema vigente. Dessa forma, inúmeros imperadores promoveram a perseguição aos cristãos, sendo talvez a causada por Nero a mais famosa delas, já que o apóstolo Pedro pereceu sob seus pés no circo de Roma.

Após cerca de trezentos anos de ilegalidade, o cristianismo tornou-se uma força esmagadora dentro do Império e sob o reinado de Constantino, o Grande, com o famoso Édito de Milão promulgado, os cristãos puderam finalmente viver em paz.

Mas se podiam viver em paz, seus inimigos não podiam. Quase que imediatamente após a permissão para manter seus cultos, os perseguidos transformaram-se em perseguidores, levando uma onda de terror e morte às ruas de todo o império. O paganismo perdeu força e patrocínio, e em poucas décadas foi inexoravelmente substituído pela nova religião.

Com tantos novos seguidores, logo as ideias sobre o que de fato era ser cristão começaram a se confundir. Alguns pregavam que Cristo era Deus encarnado, outros que ele não passava de um homem com ótimas ideias a ser seguidas. Diante do impasse e das crescentes dissidências, Constantino, o Grande, mais uma vez, reuniu um Concílio ecumênico em Nicéia, onde representantes de diversas partes do mundo definiriam finalmente o que era o cristianismo e o que deveria ser feito para manter-se como devoto dessa fé.

É nesse ponto da história, mais precisamente no ano 325 D.C., que a Igreja Católica Apostólica Romana vai surgir como instituição. Até então, o credo cristão era informal e disperso, com as autoridades religiosas surgidas da comunidade na qual estava instalado. A reunião em Nicéia criou os dogmas, os ofícios e os cargos que deveriam existir na nova religião, e de que forma se poderia alcançar a vida eterna. Festividades importantes, como o nascimento de Cristo e a Páscoa, também foram definidos nessa reunião, utilizando como referência, e até mesmo como a forma de comemoração, as festas pagãs.

Bispos de diversos pontos do Império Romano, como Constantinopla, Roma, Antioquia, Alexandria, entre outros, tornaram-se os mestres espirituais e guias do povo de Cristo, sendo que o Bispo da cidade de Roma seria o “Primeiro entre iguais”, o Papa Católico e maior líder entre todos.

Constantino, portanto, foi o grande patrocinador da Igreja, e inteiramente responsável pela sua instituição. Apenas com seus recursos e incentivos, a religião católica tornou-se auto-suficiente e prosperou para a eternidade.

-- Thiago Amorim

domingo, 14 de agosto de 2011

Odeio o dia dos pais!


Hoje é o dia que todo mundo se confraterniza e visita o pai. Em todos os lugares a festa é grande, há troca de presentes e a felicidade reina. Bem, na minha casa não. E esse é o motivo de odiar o dia dos pais.

Para quem me conhece não é novidade que meu pai não está mais presente. Ele deixou a mim e a minha família há cerca de onze anos, não por vontade própria, mas por capricho do destino. Meu pai tinha 47 anos apenas (na verdade eram 49, mas ele mentia a idade para todo mundo), e morreu de um ataque cardíaco fulminante dois dias depois do carnaval.

A experiência foi traumática e acredito que criei um “bloqueio” para superá-la. Assim, quando meus amigos falam a respeito disso costumo brincar com o ocorrido utilizando o maior grau possível de “humor negro”. Faço brincadeiras, reclamo de diversas situações e o xingo o tempo todo, de forma que todos devem, no mínimo, pensar que o odeio, ou não o respeito. 

O que não demonstro, entretanto, é a falta que ele faz, e a vontade de poder dizer o mesmo que meus amigos: “vou ver meu pai hoje”.

-- Thiago Amorim

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

O Império e a queda!


Para os especialistas posteriores ao desastre, a queda do World Trade Center trouxe um “despertar” para os americanos daquela década apática que foi a de 1990. O “triunfo” do capitalismo sobre o comunismo, com a dissolução da União Soviética e a queda do muro de Berlim, nessa mesma época, havia trazido paz e segurança para a “América” de tal maneira que alguns desavisados consideraram que “O fim da história” havia chegado.

Algo mais simbólico, entretanto, está por trás da devastação em New York e da destruição das torres. Os milhares de mortos e a chaga na metrópole foram elementos chocantes, mas que denunciaram algo que há muito se achava impossível: O Império não era invulnerável! “O fim da história” não havia chegado, mas o fim da hegemonia política e econômica da nação mais poderosa do planeta talvez sim.

O medo da guerra e da recessão trouxe à tona os problemas que se escondiam por trás das belas cortinas vermelhas, azuis e brancas. Nem tudo era fantástico na terra do “tio Sam”. A queda das torres prenunciou, e agora é que vemos isso, o caminho que os EUA estavam prestes a seguir. O caminho da queda inevitável!

O país do consumo percebeu, tarde demais, que consumo desenfreado não garante desenvolvimento econômico; que expansão do crédito não garante o pagamento dos empréstimos; que a sua “democracia” não é algo a ser imposto; que os povos do mundo inteiro têm o direito de buscar sua forma de governo e de lutar por sua liberdade sem a interferência estrangeira.

A queda do Império é talvez um “sinal dos tempos”. Num mundo em que os rechaçados (entenda-se “emergentes”) são agora exaltados, os EUA perdem cada vez mais espaço na geopolítica mundial. Cabe agora às nações reverem suas posições e seus conceitos. Cabe ao povo tomar consciência desse momento histórico e suas implicações para o futuro.

A ironia da história é que todos os Impérios que já surgiram sobre a face da Terra estiveram no ápice pouco antes do colapso. Talvez haja alguma razão na ideia de que a história se repete...

-- Thiago Amorim

quinta-feira, 21 de julho de 2011

As Sete Maravilhas de Alagoas


E se durante toda a história diversas listas foram criadas elencando as maiores maravilhas do mundo, porque não criar a nossa? A minha mostra o que nosso Estado tem de melhor para oferecer, de acordo com minha opinião, é claro. Segue abaixo a lista das sete maravilhas de Alagoas. Espero que gostem! Do contrário, fiquem à vontade para eleger as suas próprias...

O “Velho Chico” e seu encontro com o mar é talvez a maior das maravilhas do Estado. As cidades ribeirinhas, os cânions do São Francisco e a beleza do “Nilo brasileiro” são de deixar qualquer um boquiaberto;

O mar! Os invejosos dos outros estados do país costumam dizer que aqui só tem praia e mar. Erraram feio, mas acertaram em divulgar nossas belezas naturais. Em cada lugar do litoral alagoano o Criador foi generoso e nos presenteou com as melhores e mais belas praias do mundo;

Cidades históricas! Água Branca, Maceió, Marechal Deodoro, Penedo, Piranhas, entre outras têm muito que mostrar. Seja na cidade dos marechais ou no rastro do cangaço, a arquitetura de beleza ímpar maravilha aos locais e visitantes desde os tempos do Brasil colônia;

Apesar de ser lembrado como “Estado dos marajás”, Alagoas marca presença no país em outros campos além da política. Seja na música ou literatura, nossa cultura encanta a todos. Entre os grandes expoentes estão Djavan e Graciliano Ramos, sem esquecer é claro da maravilhosa literatura de cordel;

O povo alagoano! Apesar de precisar despertar de uma “apatia política” o povo de Alagoas tem muito potencial. Entre suas melhores características estão a generosidade e a criatividade, elementos essenciais para superar as dificuldades que a vida impõe;

O Sertão! Um dos mais belos ecossistemas do mundo, o sertão oferece belas paisagens em todas as épocas do ano. Cores e perfumes diversos se dividem entre o inverno e o verão, mostrando que a vida prevalece mesmo no mais extremo dos climas;

Santana do Ipanema! Uma lista das sete maravilhas criada por mim não poderia deixar de incluir minha querida cidade. Lugar onde nasci e cresci, a cidade oferece ao visitante o caloroso abraço do seu povo e a maravilhosa comida típica. Encravada no Sertão das Alagoas, as belas paisagens santanenses oferecem trilhas e vistas incríveis do topo de suas serras.

E assim, com as sete maravilhas de Alagoas ditadas, encerro esse post!

Quem não nos conhece, não sabe o que está perdendo...

Abração!

-- Thiago Amorim