terça-feira, 18 de maio de 2010

A queda de Constantinopla


No dia 29 de maio de 1453 o Sultão Mehmet II adentrava as muralhas de Constantinopla, destruindo para sempre o Império Bizantino. A queda do grandioso império já era há muito anunciada e se arrastou por mais de 400 anos até que de fato acontecesse sob o julgo turco. Apesar da iminente catástrofe, a experiência mostrou-se tão traumática para os europeus, que marcou a história como o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.

Mas apenas o trauma desencadeado pela perda de uma cidade no extremo oriente europeu  não evidenciam a importância do acontecimento. Os eventos desencadeados a partir do fim do Império Bizantino foram ainda mais longe: não tivesse aquele império sucumbido aos Otomanos, talvez a história da América (e sua invasão pelos europeus) seria outra. O mundo de hoje, onde cada um de nós vivemos, seria completamente diferente.

Constantinopla foi fundada por Constantino no século IV, no lugar onde ficava a cidade grega de Bizâncio, para ser a nova capital do Império. Cercada pelo mar de Mármara e incrustada na entrada do Estreito de Bósforo, tinha uma localização segura e privilegiada. Para o Imperador, a cidade se chamaria Nova Roma, mas o nome não vingou e em sua homenagem a cidade ficou conhecida como Constantinopla.

Durante os conturbados anos que se seguiram a morte de Constantino e o fim de Roma, Constantinopla despontou como o novo centro do mundo cristão e como defensora da cristandade no Oriente. Bizâncio seria “barreira natural” contra o inimigo "bárbaro", e assim foi durante muitos séculos até que o inimigo cresceu o suficiente para chegar às portas de sua capital.

Uma sucessão de fatores contribuiu para o enfraquecimento do Império, e talvez os maiores culpados sejam os próprios cristãos europeus. As raízes por trás do desmoronamento de Bizâncio remontam desde a questão das cruzadas até decisões tomadas ainda durante o século XI pelo Imperador Constantino Ducas. Este tomou a decisão de diminuir o efetivo militar do Império para garantir sua permanência no poder e solucionar problemas de ordem financeira. Muitos apontam essa posição de Constantino como o caminho para a bancarrota, enquanto outros defendem que apenas dessa forma o Império continuou a existir por quase meio milênio ainda.


Não devemos esquecer também, a famigerada escolha do Imperador João Cantacuzeno, em meados do século XIV, de pedir apoio aos turcos para a sua causa rumo ao trono de Constantinopla, liberando-lhes a passagem pelo Bósforo através de Gallipoli, e garantindo assim uma "ponta de lança" turca na Europa.

A questão das cruzadas é controversa, mas é inegável que após o saque de Constantinopla pelos cristãos, durante a quarta cruzada, Bizâncio jamais recuperou seu esplendor e força. O Império foi restaurado mas destituído de territórios imprescindíveis para sua sobrevivência, como a Anatólia, que passou para o domínio turco (a batalha de Manzikert em 1071, portanto antes das cruzadas, também teve papel crucial para a perda dessa região). 

Saqueada e despojada de seus tesouros no século XIII, Constantinopla era a capital de um Império em ruínas, rodeado pelos turcos e abandonada pelos exércitos cristãos. A cidade havia sido cercada 23 vezes durante a história, mas seus poderosos mecanismos de defesa e seu ponto estratégico na entrada do estreito de Bósforo a salvaram do fim.

Infelizmente dessa vez seus muros não seriam tão poderosos. O sultão Mehmet II dispunha de armas modernas para bombardear a cidade e um contingente gigantesco de soldados. A empreitada cuidadosamente preparada chegou à cidade no dia 2 de abril. Toda a população de Constantinopla estava aterrorizada, pois contava com cerca de oito mil defensores contra um exército de 200 mil homens.

Os turcos já vinham fazendo incursões em território bizantino desde o início do ano, arrasando cidades e conquistando fortalezas. O medo era um trunfo que o Sultão sabia como usar. Estava convencido que tomaria a cidade de qualquer maneira e a transformaria na capital do seu reino.

O cerco seguiu pelos meses de abril e maio. Os canhões turcos bombardeavam os muros constantemente, enquanto a população desesperada esperava por um milagre que a salvasse. Ainda havia a esperança que uma esquadra cristã surgisse no horizonte, repleta de soldados, com o tão necessário auxilio. A ajuda, jamais chegaria.

Profundamente religioso e místico, o povo de Constantinopla acreditava que Deus mandava sinais sobre o seu fim. Gigantescas tempestades, eclipses ou neblina seriam esses sinais. Coincidentemente no dia 25 de maio um evento ainda mais surpreendente aconteceu: Várias luzes foram vistas sobre a cidade e diante de olhos estarrecidos, grandes chamas envolveram o domo da Basílica de Santa Sofia; o fogo e as luzes intensas se uniram em um só facho de luz e ascendeu ao céu. Estava claro para todos que o fim era iminente.

Em 28 de maio o exército de Mehmet atacou a cidade com todo o seu contingente. Bombardearam os muros da cidade ininterruptamente de forma que os defensores não pudessem repará-lo. A seguir todo o exército acometeu, de forma que em todos os lugares ao redor dos muros houvessem homens forçando a entrada.  

Na manhã de 29 de maio por volta das seis da manhã, Constantinopla já era domínio turco. O último Imperador, Constantino XI, morreu durante a batalha encorajando seus homens a defender a cidade. O saque generalizado arrasou grande parte da área urbana e milhares de pessoas foram mortas ou violentadas. Homens, mulheres, crianças e idosos, todos sem distinção foram molestados.

Mehmet II, que a partir de então seria conhecido como Fatih, o conquistador, adentrou aos muros e dirigiu-se à Basílica de Santa Sofia. A seguir, ordenou que os saques cessassem imediatamente e garantiu que os cristãos poderiam manter seus cultos, mas perderiam a basílica, que foi transformada em mesquita. As famílias de Constantinopla foram escravizadas; vendidas em mercados diversos no mundo muçulmano. Algumas nobres foram libertadas e receberam dinheiro para manter a si e suas famílias.

E assim, 1123 anos depois de ser fundada por Constantino, o Grande, Constantinopla sucumbiu aos turco-otomanos e jamais voltaria às mãos cristãs. Bizâncio estava perdida para sempre.

Ao "mundo ocidental", estando as rotas comerciais Mediterrâneas e asiáticas em mãos muçulmanas, não havia mais um porto seguro no Oriente. Os negócios tornaram-se difíceis e novos caminhos precisaram ser buscados. Em poucas décadas o mundo entraria numa fase dinâmica e complexa sem precedentes: as grandes navegações, os nativos e o ouro da América; a ascensão de gigantescos impérios colonias. Tudo isso desencadeado pela perda do último suspiro do que um dia foi o grandioso Império Romano: Constantinopla!

Curiosidades:

*Na sequência, imagens de Mehmet II e de Constantino XI;

O Império Bizantino foi o que restou do Império Romano quando este colapsou no ano de 476 sob as invasões bárbaras;

O Sultão Mehmet II tinha apenas 21 anos quando conquistou a cidade;

Constantinopla tinha defesas fabulosas. Entre as mais poderosas estava a gigantesca corrente que bloqueava o "Corno de Ouro", e impedia que barcos atacassem a cidade por esse lado da península. Os turcos conseguiram burlar tal defesa, ao criar um caminho por terra para seus barcos, por trás da cidade genovesa de Pera, do outro lado do Corno de Ouro. Testemunhas dizem que foi como se "os barcos navegassem morro acima", alcançado o estuário e abrindo mais uma frente de ataque à cidade. 

Os eventos com luzes e fogo vistos na cidade nos últimos dias em que ainda era capital do Império Bizantino, foram causados pela erupção de um vulcão no Oceano Pacífico, o Kuwae, que provocou mudanças na atmosfera do planeta Terra. O acontecimento sobre a cúpula da Basílica se chama fogo-de-santelmo e ocorreu pelo teto da cúpula ser coberto de cobre;

Apesar de Mehmet II permitir o culto cristão na cidade, quase todas as igrejas foram destruídas em anos posteriores, inclusive uma das mais famosas, a dos Santos Apóstolos, onde os Imperadores e suas famílias eram enterrados;

Fundada em 11 de maio de 330 D.C. por Constantino, o Grande, Constantinopla foi perdida coincidentemente no mesmo mês 1123 anos e 18 dias depois, sob um governante de nome Constantino também;


Constantinopla é a atual Istambul, na Turquia.

-- Thiago Amorim

Para saber mais:

1453: A Guerra Santa por Constantinopla e o confronto entre o Islã e o Ocidente – Roger Crowley

1453, a queda de Constantinopla – Steven Runciman;


História das cruzadas Vol. I, II e III – Steven Runciman;


3 comentários:

Leonardo disse...

Interessante a foto acima da igreja de Hagia Sofia. No topo de sua cúpula não apresenta a famosa meia-lua do Islã e nem os 4 minaretes contruídos pelos turcos. Ao invés disso está a cruz cristã...Mas creio que o crucifixo original fosse mais ao estilo grego ortodoxo, como mostra o video a seguir: http://www.youtube.com/watch?v=bpa2y5tRizo...enfim, legal!

Anônimo disse...

Gostei, bom resumo! Só faltou fakar takavez um pouco da importância para o renascimento.

Thiago Amorim disse...

Olá!
Obrigado pelo comentário. Gosto muito quando alguém passa e deixa algum recado.
Leonardo, realmente acredito que a cruz fosse outra também. Mas como não temos imagens "originais" peguei uma que mostrasse a basílica em sua "glória".
E você, meu caro anônimo, realmente o texto não entra em detalhes a respeito do Renascimento, mas porque se destina a contar apenas a história daquele fatídico ano. O Blog tem outros textos que tratam desse assunto. Se possível dá uma olhadinha por aí!
Grande abraço e muito obrigado por passarem por aqui!
:D